Jogos com Macaca expõem extremos do Tricolor 2017

0
953
Gilberto decidiu duelo em fevereiro: momentos opostos contra o alvinegro campineiro

Numa partida sem muitos atrativos, o São Paulo perdeu para a Ponte Preta, em Campinas, por 1×0, e chegou ao seu segundo revés no Brasileirão. A forma como se deu a partida deixa claro como o time comandado por Rogério Ceni ainda sofre para se entender na temporada.

O jogo em si foi claramente para 0x0, tendo em vista que nenhuma das equipes jogou o suficiente para marcar um gol, mas os donos da casa acabaram se aproveitando de um terrível erro de posicionamento são-paulino para garantir os três pontos. Mas ficou bem clara a diferença em relação ao que foi o encontro entre ambos no Paulistão. No distante mês de fevereiro, um Morumbi lotado presenciou a estreia do Mito como técnico na casa tricolor e recebeu de volta uma atuação de gala, com direito a sonoros 5×2 no placar. O marcador foi a síntese do que era o time naqueles dias: ataque poderosíssimo, mas com defesa frágil.

Com o passar do tempo, o poderio ofensivo foi minguando, embora a defesa, mesmo que aos trancos e barrancos, foi se encontrando. O fato é que hoje o São Paulo é um time quase que oposto ao que era em fevereiro. Sua defesa se tornou segura, ao ponto de sofrer apenas dois gols nos primeiros quatro jogos do Brasileirão. E mais do que isso, toda a proteção dos volantes se tornou muito eficiente, tanto que o time não sofreu pressão em nenhum momento dos jogos até aqui, mesmo já tendo enfrentado todas as variedades de adversários (dois candidatos ao título, um time intermediário e uma equipe que deve brigar contra o rebaixamento). Tamanha evolução chegou ao ponto de Lucão fazer partidas seguras, inclusive no clássico contra o Palmeiras. Por outro lado, o setor ofensivo virou problema. Não pelos atacantes, que são eficientes, mas pela criação – ou falta dela. O jogo tricolor passa muito pelos pés de Cueva, e o peruano vive certamente seu pior momento desde que chegou ao Morumbi. A alternativa, portanto, se torna apostar na velocidade e habilidade de Luiz Araújo. Funcionou no Choque-Rei, mas não em Campinas, muito graças à boa marcação ponte-pretana, que não permitiu que o jovem tricolor fosse acionado. Jovem esse que está de saída, o que torna tudo ainda mais complicado.

A briga do São Paulo, em suma, segue sendo para encontrar seu equilíbrio. Equilíbrio esse que falta até na tabela, já que falamos de um time que fez 2×0 nos dois jogos que fez em casa e tomou 0x1 nos dois que fez fora. E esse é outro ponto que deve servir de alerta: o Campeonato Brasileiro não perdoa quem não sabe pontuar longe de seus domínios.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA