Ceni faz hora extra, promete treinos novos e já chia por calendário

0
98

Rogério Ceni está começando a sentir as principais diferenças da vida de atleta para a rotina de técnico de um grande clube. Nesta quarta, o ex-goleiro começou a trabalhar com o elenco do São Paulo no CT da Barra Funda, mas já vem agindo nos bastidores desde o ano passado. O ídolo tricolor não nega que sua vida mudou bastante nos últimos tempos e que o trabalho tem lhe tomado muito mais tempo em relação a época que se preparava para entrar em campo e defender a meta são-paulina.

 

“Especialmente o tempo de preparação de treinamentos. Ontem, por exemplo, chegamos aqui 7h30 e fomos embora 20h30. Talvez nesse início, pelo fato de eu não ter tanta experiência e querer projetar novos treinamentos, a gente têm reuniões diárias, principalmente nesse começo em função dos testes de cada jogador, para saber como trabalhar, quem está melhor, quem tem risco de lesão. A gente vem dedicando muitas e muitas horas. Já em dezembro eu dediquei muitas horas com os meninos dos vídeos, fomos pesquisar. Para mim, a maior mudança está sendo permanecer dez, 11 horas por dia aqui dentro”, comparou, mas deixando claro que está curtindo essa nova fase da sua carreira.

 

“Para mim é extremamente prazeroso, um grupo muito bacana, claro que os primeiros dias são os mais chatos, exige mais da parte física, principalmente de manhã, quando estamos fazendo os testes. Mas esses foram os únicos dois dias que trabalhamos e parte física. A partir do dia 7 nós começamos o trabalho em dois períodos com bola, os dois, logicamente mesclando com a fisiologia, mas trabalhando com bola, que é sempre muito mais interessante e menos desgastante psicologicamente para os jogadores”, revelou.

 

Pelo fato de ter sido jogador, Rogério sabe que tipo de atividade os atletas desaprovam ou não fazem com o mesmo afinco nos treinamentos. Por isso, o agora comandante quer usar toda sua criatividade, experiência de campo e novas ideias junto a seus auxiliares gringos, Michael Beale e Charles Hembert, para fugir da monotonia e ter a dedicação e atenção máxima de seu grupo. Nos Estados Unidos, onde a delegação desembarcou nesta sexta, o São Paulo vai começar a fazer seus primeiros treinos táticos, jogos-treino e partidas oficiais. O processo precisa ser acelerado, já que Ceni sabe que não terá muito tempo para correções depois que a temporada de fato começar.

 

“Esperamos fazer trabalhos setorizados, dividindo grupos, tentando fazer novas atividades, porque eu acredito que o interesse do atleta em aprender no treinamento vai ser igual no jogo. Nem começamos a parte tática. Queremos um jogo-treino dia 12, contra uma equipe de nível mais baixo, por causa da fase em que estamos de preparação. Dia 15 faremos outro jogo-treino com o Boca Ratón, sempre com camisa de treino, para jogar dia 19 (pela Copa Flórida)”, explicou.

 

“Acredito que dia 10 ou 11 começaremos a desenvolver essa parte tática. E, nos últimos 10 dias da pré-temporada, antes do Paulista. Depois, o calendário é bastante apertado, como vocês sabem. Teremos muito mais espaço para recuperação dos atletas entre os jogos do que treinos técnicos”, disse, preocupado pelo o que deve vir pela frente.

 

Para Rogério Ceni, todo esse planejamento é fundamental para aumentar a possibilidade do São Paulo encaixar e encontrar as vitórias já desde seus primeiros desafios. Com a reformulação do elenco e a troca da comissão técnica, Ceni sabe que o clube precisa de um tempo de adaptação, mas que nem sempre há paciência para isso.

 

“Os resultados são importantes, mas o mais importante é a maneira como o time atua, mostra o que quer, deseja e pode produzir. Às vezes você produz muito no jogo e tem resultado negativo. Contra o Liverpool do Michael (em 2005) chutamos três vezes, não tivemos nenhum escanteio e ganhamos o jogo. Futebol não traduz realidade. Não vim mais como goleiro. Vim para dirigir a equipe. A paciência do torcedor é a mesma em relação a qualquer treinador”, garantiu a principal aposta do Tricolor do Morumbi para resgatar o clube à briga pelos títulos.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA