Ceni cria ansiedade na base e técnico do sub-20 indica “camisa 10 clássico”

0
450
Em alta, as categorias de base do São Paulo devem realmente ser utilizadas como válvula de escape do técnico Rogério Ceni. Multicampeão em 2016, o time sub-20, inclusive, será o alvo da diretoria, que encontra dificuldades financeiras para reforçar a equipe profissional.

 

Visada, a geração de 1996 cansou de levantar taças neste ano. Ao todo foram seis: Copa Ouro, Campeonato Paulista, Copa RS, Copa Libertadores da América e, na última quinta-feira, a conquista do bicampeonato consecutivo da Copa do Brasil.

 

“É uma geração especial, muito talentosa, e com meninos realmente vencedores”, exaltou André Jardine, treinador do Tricolor sub-20, à Gazeta Esportiva. “Tem meninos dessa geração que já foram até vendidos, como o Boschilia, que está na França. Alguns que já estavam no profissional há bastante tempo, que são os casos do Lucão e do Auro”, acrescentou.

 

Em sua apresentação oficial realizada na última quinta-feira, Ceni avisou que já trabalha junto à diretoria na contratação de reforços. No entanto, disse também que gostou do que viu durante o período no qual esteve no Centro de Formação de Atletas, em Cotia, e apontou que deve subir alguns atletas para o profissional, citando até alguns nomes que o chamaram atenção, como os zagueiros Lucas Kal e Tormena. O futuro técnico, contudo, ainda não revelou os jogadores que pretende promover.

 

“A expectativa está bastante grande. Eles estão muito ansiosos esperando essa definição que passa muito pela escolha do Rogério Ceni de quais meninos que ele vai usar e quais vai liberar para eu emprestar. Com certeza os jogadores estão vivendo um momento de bastante ansiedade”, revelou Jardine.

 

“Ele está muito por dentro da nossa categoria, de todos os meninos, e está realmente olhando com muito carinho para tentar aproveitar ao máximo o que ele puder – claro que tem um limite, há alguns jogadores do profissional com situações indefinidas, então ele deve estar vivendo um momento de indefinições para poder saber quantos meninos ele vai poder subir”, acrescentou.

 

Apesar de ainda não haver uma lista com os nomes dos atletas que ascenderão ao profissional em 2017, o meia Shaylon figura entre os favoritos. Com 19 anos, foi o artilheiro da Copa do Brasil da categoria, com seis tentos. Além do faro de gol, a promessa da base são-paulina tem os atributos de um “camisa 10 clássico”, na visão de André Jardine.

 

“O Shaylon é um meia, que até em alguns momentos eu usei como falso 9, mas é um camisa 10 clássico, chega bastante na área, gosta de fazer gol. Com certeza é um nome que o Rogério viu, vai continuar observando, e em algum momento vai ter sua oportunidade no profissional”, descreveu o técnico do sub-20.

 

No elenco do São Paulo, apenas o peruano Christian Cueva vem fazendo a função de meia centralizador, já que Jean Carlos foi pouco aproveitado por Ricardo Gomes e Pintado nos últimos compromissos da temporada e pode estar de saída para o Goiás. Por isso, as esperanças de figurar na lista de Ceni aumentam para Shaylon. “É um jogador fantástico, com muitas virtudes”, finalizou Jardine.

 

Para a temporada 2017, o Tricolor acertou as contratações do meia-atacante Wellington Nem, emprestado pelo Shakhtar Donetsk (UCR), e do goleiro Sidão, do Grêmio Osasco Audax e que defendia o Botafogo. O atacante paraguaio Cristian Colmán, do paraguaio Nacional, tem um acerto encaminhado e pode ser anunciado nos próximos dias.

 

Abaixo, veja os atletas da base que apareceram entre os profissionais em 2016:

 

Lucão (zagueiro)

Lyanco (zagueiro)

Auro (lateral)

Matheus Reis (lateral)

Artur (volante)

João Schmidt (volante)

Lucas Fernandes (meia)

David Neres (atacante)

Luiz Araújo (atacante)

Pedro Bortoluzo (atacante)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA