Ao contrário de santistas, atacantes são-paulinos sofrem para marcar gols

0
196
São Paulo e Santos se enfrentam nesta quinta-feira, no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro. Além de se situarem em partes opostas na tabela do Campeonato Brasileiro, as duas equipes se distanciam, também, em outro aspecto: a eficiência de seus atacantes.

Enquanto os dianteiros tricolores sofrem com um jejum de seis jogos sem balançar as redes, os santistas marcaram seis dos últimos dez gols do Peixe, sendo três de Ricardo Oliveira, dois de Copete e um de Paulinho. Isso ainda explica a diferença entre os ataques: o do São Paulo (28) é o terceiro pior da Série A, ao passo que o Peixe (47) só fica atrás do líder Palmeiras (52) nesse quesito.

Artilheiro do time no Brasileirão, com cinco gols, o atacante Andres Chavez é um dos sintomas da ineficiência do setor ofensivo do São Paulo. O camisa 9 não balança a rede há seis jogos, coincidentemente o mesmo número de partidas em que qualquer atacante tricolor não marca – Kelvin foi o último, na vitória por 3 a 1 sobre o Figueirense, no dia 11 de setembro.

Para Chavez, resta aprimorar as finalizações para ajudar a tirar o Tricolor da incômoda situação. “Obviamente não estão vindo os resultados. Mas também quando tivemos o resultado não marcamos muitos gols”, ponderou Chavez.

“Não criamos muitas situações e as que criamos não pudemos concretizar. Tem de seguir trabalhando as definições para melhorar isso. Obviamente que um dianteiro quando não pode converter, lamenta muito. Comigo está acontecendo isso. Mas com a esperança de que a boa fase volte novamente. E ser importante para tirar o clube dessa situação”, acrescentou.

A nove rodadas para o término do Campeonato Brasileiro, o Tricolor ocupa o 14º lugar, com 36 pontos, apenas três a mais que o Internacional, primeira equipe dentro da zona de rebaixamento. O Santos, por sua vez, aparece na quarta posição, com 51 pontos, no G6 que classifica à Copa Libertadores da América 2017.

A despeito da diferença na tabela, Andres Chavez não considera um eventual empate como bom resultado para o clube do Morumbi. “A gente só pensa em ganhar, sabemos que vai ser um jogo difícil, mas só pensamos em ganhar os três pontos. Isso te dá mais impulso pra subir na tabela, espero que seja assim na quinta”, bradou o centroavante.

Questionado sobre o principal atacante do Peixe, Ricardo Oliveira, Chavez disse ter escutado coisas boas a respeito do companheiro de posição, mas torce para que a defesa tricolor anule o santista. “Vi algumas partidas, mas me disseram por aí que é um atacante importante, interessante, com experiência. E vem fazendo bem as coisas. Esperamos que a defesa nossa esteja bem, parelho de trás para frente, e tentar resolver isso”, concluiu o argentino.

São Paulo e Santos se enfrentam a partir das 21 horas (de Brasília) desta quinta-feira, no Pacaembu, mesmo palco do San-São do primeiro turno, no dia 26 de junho, quando o Alvinegro da Vila Belmiro venceu com facilidade, por 3 a 0. Desta vez, contudo, o mando de campo será tricolor. A iniciativa de mercar os dois clássicos no estádio municipal ocorreu em comum acordo entre ambas as diretorias.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA