O SPFC na Revolução de 32

0
263
Por Éder Moura – @eder_sp88
Nove de julho. Em todo o estado de São Paulo, esse dia é um
feriado, em homenagem aos combatentes da Revolução Constitucionalista de 1932,
que colocou os civis em confronto armado contra o governo de Getúlio Vargas.
Faria e Friedenreich, dois são-paulinos que trocaram a bola pelas armas (Acervo Público)

O conflito, que se estendeu de 9 de julho a 2 de outubro
daquele ano, envolveu a adesão de diferentes segmentos da população paulista. O
que pouco é falado, no entanto, é como o futebol se envolveu na revolução.
Para começar, falemos do Campeonato Paulista. Naquele ano, o
São Paulo disputava o torneio apenas pela terceira vez na história, mas já
buscava o bicampeonato, após a bela conquista de 1931. Ao final do primeiro
turno, ocupava a segunda posição, com cinco pontos a menos que o líder Palestra
Itália. Foi quando a revolução explodiu. Como resultado, o campeonato foi dado
como encerrado e a taça entregue à atual SEP.
A Revolução Constitucionalista teve uma abrangência tão
grande junto à população que até mesmo jogadores de futebol largaram tudo para
pegar em armas. Dentre eles, a lenda Arthur Friedenreich, principal jogador
tricolor e grande nome do futebol nacional à época. E ainda foi acompanhado por
outros dois são-paulinos, Faria e Luisinho (esse último, o único atleta a jogar
pelo SPFC tanto antes quanto depois da refundação do clube, em 1935). Todos
eles foram ao campo de batalha e enfrentaram as tropas getulistas na região de
Itapira, na divisa com Minas Gerais, um dos locais que apresentaram as batalhas
mais acirradas.
A relação entre o São Paulo e a Revolução Constitucionalista
poderia ter um forte símbolo até os dias atuais: o estádio do Morumbi. Quando
começou a ser construído, em 1952, o nome oficial da Mansão Tricolor seria “Estádio
Nove de Julho”. Porém, com a morte de Cícero Pompeu de Toledo em 1958, dois
anos antes da inauguração do estádio, optou-se pela mudança de nome, de modo a
homenagear o presidente são-paulino que iniciou a construção do, à época, maior
estádio particular do mundo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA