‘O ambiente é o mesmo’, diz Josué ao comparar Galo e São Paulo de 2005

0
27

Titular na conquista do Mundial de Clubes pelo Tricolor, em Yokohama, volante vê semelhanças com o clima entre os jogadores do Atlético-MG no Marrocos.

Josué, no São Paulo, em 2005 (Foto:  Vipcomm)

O quarto treino do Atlético-MG, em Marrakesh, deu indícios de que Josué será o escolhido de Cuca para ser o companheiro de Pierre no meio-campo, na estreia do time, no Mundial de Clubes da Fifa. O jogador treinou ao lado de todo o ataque titular e deverá estar entre os onze do treinador para o jogo contra o Raja Casablanca.

A experiência de Josué na carreira e na própria competição são fatores fundamentais para que o técnico alvinegro opte pelo volante pernambucano. O jogador atuou seis anos no futebol alemão e sabe o que o Galo poderá enfrentar numa possível decisão contra o poderoso Bayern de Munique.

Além disso, Josué já tem no currículo um título do Mundial de Clubes, em 2005, quando bateu o Liverpool, por 1 a 0, no Japão, com a camisa do São Paulo. Mesmo assim, o experiente jogador prefere se esquivar ao comentar sobre sair na frente do companheiro Donizete por questão de currículo.

– Independentemente de você ser mais experiente ou ter jogado no futebol alemão não quer dizer que você irá ficar com a vaga. Você tem é que estar bem para conquistar um lugar na equipe. É isso que irá definir. Penso dessa forma. Estou focado e quero ajudar esse grupo a vencer.

Josué vê semelhanças ao comparar o clima vivido pelo São Paulo, em Yokohama, com o ambiente do Atlético-MG, em Marrakesh.

– O ambiente é o mesmo. Naquela época o grupo era bem fechado, bem unido. Com o único objetivo de vencer. Do outro lado tem um adversário favorito, como tinha naquele ano. Mas que não existe time imbatível. A gente vai fazer nosso trabalho para que tudo corra bem e dê certo.
Apesar da experiência aos 34 anos, ele revela que a ansiedade antes de jogos e competições importantes nunca muda.

– Quando chega nesse momento a ansiedade aumenta. Você fica muito tempo no quarto, no hotel. Não tem jeito. É controlar bem para fazer uma boa estreia e não atrapalhar. É uma competição de tiro curto, dois jogos, e sem dúvida, uma grande estreia dá mais confiança para uma final.

Perguntado sobre o duelo à parte com Leandro Donizete, Josué prefere enaltecer a qualidade do elenco.

– Acontece como acontece em outras posições. Isso só enaltece a nossa qualidade. Temos muitos jogadores que tem condições de dar conta do recado. O importante é o título. Estou bem como todo grupo. Todos que estão aqui têm condições de jogar.

FONTE: GLOBOESPORTE.COM

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA