16 de dezembro de 1935: a refundação do Tricolor

0
19

Há 78 anos o São Paulo Futebol Clube retomava seu lugar no cenário futebolístico brasileiro

Grêmio Tricolor – A directoria do Grêmio Tricolor convida todos os srs. conselheiros e consócios para uma nova reunião a fim de tratar de assumptos do interesse geral que terá lugar hoje, ás 20 horas, na rua 11 de Agosto, 9-A.
Foram essas poucas linhas publicadas no jornal Correio de São Paulo do dia 16 de dezembro de 1935 que convidaram os são-paulinos a se reunirem e a reerguerem o São Paulo Futebol Clube, que poucos meses antes, por desarranjos políticos internos, teve suas atividades suspensas temporariamente. 
Fundado em 1930 por dissidentes do Clube Athlético Paulistano e pela própria Associação Athlética das Palmeiras, embora inativo dentro das quatro linhas entre maio e dezembro daquele ano, o Tricolor Paulista não havia abandonado o coração da torcida por um segundo sequer. Aqueles aficionados se concentraram em frente ao local anunciado com antecedência e, às 19h, grande multidão já aguardava a reunião que daria novos rumos ao Clube da Fé. 
Às 20 horas teve início a assembleia mais intensa e emocionante da história do São Paulo. A sessão magna foi aberta pelo Tenente Porphyrio da Paz, cujas palavras de abertura fizeram vibrar a todos na casa. Terminado o discurso, o próprio Porphyrio foi indicado pelos colegas ali presentes a presidir os trabalhos da noite. 
Entre exclamações e muita animação foram propostos o estudo e aprovação dos estatutos, trabalho esse que durou mais de duas horas. Aprovados que foram os mesmos, deu-se início então à eleição da primeira nova Diretoria, que ficou assim constituída:
Presidente, Manoel Carmo Mecca;
1º Vice-Presidente, Alcides Borges;
2º Vice-Presidente, Francisco Pereira Carneiro;
1º Secretário, Éolo Campos;
2º Secretário, Luiz Felipe Paula Lima;
1º Tesoureiro, Manoel Arruda Nascimento;
2º Tesoureiro, Izidoro Narvaes;
Diretor Geral de Esportes: Tenente Porphyrio da Paz.
Mecca, o aclamado Presidente, não estava presente no início da assembleia em que foi honrado pois, justamente no dia anterior ao momento tão esperado por todos os são-paulinos, seu filho falecera. Ainda assim, sob luto, compareceu no decorrer da reunião e foi o primeiro signatário da ata que batizou o Tricolor.
A continuidade do clube atribuída pelos fundadores desta segunda fase está demonstrada no registro da própria ata datada de 16 de dezembro de 1935, quando o presidente Manoel Carmo Mecca prometeu que “os membros da diretoria não mediriam sacrifícios para que o Pavilhão Tricolor voltasse a tremular glorioso nos campos esportivos do Brasil, elevando cada vez mais o nome do São Paulo Futebol Clube, cognominado o Esquadrão de Aço”, apelido este concedido ao Tricolor pelo time de Friedenreich.
Por volta da meia-noite, debaixo de salva de palmas e urras de vivas ao Clube, a São Paulo e ao Brasil, foi finalizada a sessão que trouxe de volta ao mundo o time que futuramente se tornaria um bastião do futebol arte e da competitividade, refletidos na vasta gama de jogadores exemplares e de conquistas obtidas. 
Fonte: Site Oficial

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA