Chegou a hora

0
33

Por: Daniel Barbosa (@DBarbosaESPN)
Desde a doída derrota para o Arsenal, na Argentina, todo e qualquer
são-paulino só pensa na partida contra o The Strongest. E, ela finalmente
chegou. Pressionado, o Tricolor entra em campo contra os bolivianos nesta
quinta-feira. É, meus caros, a hora chegou!
Mas, o que esperar da partida? Nada menos do que uma vitória! Desde que
me conheço por gente, nunca vi o São Paulo passar tanto aperto em uma
Libertadores. Este jogo poderá definir tudo, tanto uma classificação quanto uma
eliminação, a cara ou a coroa, o céu ou o inferno.
Eu, sinceramente, teria entrado com o time reserva no clássico contra o
Corinthians e faria uma preparação bem ao estilo “intensivo” na
Bolívia, afim de evitar grandes estragos da satânica altutude. Mas, talvez pela
pressão de um clássico, ou pela própria TV, Ney Franco foi de titulares.
Percebam o enrosco que isso pode causar: quem aguenta uma derrota no clássico,
uma derrota na Bolívia e uma possível eliminação precoce? Acho que poucos…
Se o Tricolor perdeu para o Corinthians neste final de semana, o The
Strongest apanhou do  inexpressivo
Petrolero pelo campeonato  nacional e não
ostenta uma posição de se orgulhar no mesmo. Vencer lá é possível e pode
acontecer, precisa ter a cabeça no lugar.
Com relação ao time, não sei quem entrará em campo, mesmo. Não tenho
nem  ideia. Um volante de marcação na
Bolívia? Não consigo acreditar. Um jogador de cadência como o Ganso quando
precisa-se de um pouco mais de velocidade? É imprevisível e inconcluso. Paulo
Miranda é uma figura certa na lateral direita. Vejo, apenas, o time escalado
com ele, Jadson e mais nove. No mais, não sei o que o professor Ney está
pensando. Vamos ter que segurar algumas horas de expectativa até começar a
decisão. Como diz aquele antigo narrador, “haja coração, amigo”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA